EmpreendedorismoGestãoGestão de Finanças

Design Thinking: a arte de pensar com a cabeça do outro

5 Mins read

“A necessidade é a mãe da inovação”. Atribuída ao filosofo Platão, esta frase tem milênios de existência. No entanto, muita gente ainda se esquece deste princípio básico na hora de criar novos produtos, serviços e processos para o seu negócio.

Você se lembra das roupas íntimas descartáveis da BIC? Sim, aquela mesmo das canetas. Pois é, você provavelmente nunca ouviu falar delas. Mas, em 1998, a fabricante resolveu lançar essa moda no Reino Unido. O resultado, como você pode imaginar, foi um retumbante fracasso. 

O motivo por trás desta e de outras notórias falhas está em desprezar a sabedoria milenar da frase citada acima. Ou seja, criar inovações sem levar em conta as necessidades reais das pessoas que vão utilizá-las. 

O Design Thinking é uma metodologia voltada a fazer exatamente isso: colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto, partindo sempre de um problema e não de uma solução. E ele também pode ser usado na sua empresa, para ajudar a criar novos produtos e serviços e fazer seus clientes mais felizes.

E, por isso, é uma poderosa ferramenta de criação. “Na maior parte do tempo, trabalhamos de modo automático. Ou seja, fazemos as nossas tarefas do jeito que aprendemos. O Design Thinking faz você pensar se aquilo que você está fazendo é a melhor maneira”, resume Antônio Roberto Oliveira, coordenador do MBA Branding Innovation das Faculdades Integradas Rio Branco.

Se olharmos para o passado, percebemos que sempre existiram transformações em produtos e serviços. Só que muitas vezes elas aconteciam a partir das necessidades da indústria, e não das pessoas. O exemplo clássico é o carro T da Ford, que só era produzido na cor preta que secava mais rapidamente. Quando os consumidores exigiam novas cores, Henry Ford soltou a célebre frase “O carro está disponível em qualquer cor, contanto que seja preto.”

Se fosse um adepto do Design Thinking, a resposta de Ford provavelmente seria diferente. Algo como: “Vocês preferem verde musgo ou verde limão?”.

Os tempos mudaram, e a forma de pensar, também. O Design Thinking direciona as transformações para atender as necessidades e desejos dos consumidores. “O nosso pensamento integra o social, o econômico e o tecnológico. Isto é, criamos coisas que são importantes para a sociedade, a partir da viabilidade econômica do negócio e das ferramentas tecnológicas que temos à disposição”, conclui Tennyson Pinheiro, autor do livro best seller “Design Thinking Brasil” e professor do curso de Desing Thinking da ESPM.

A teoria

Para que essas novas ideias nasçam, o processo de Design Thinking baseia-se em três pilares: empatia, colaboração e experimentação.

Na primeira fase, da empatia, o profissional se posiciona no lugar do usuário e faz muitas observações. É nesse momento que ele tem insights que não seriam possíveis por meio de pesquisas quantitativas e qualitativas.


banner_uolmn_googleads_academia

Em seguida, chega a etapa da colaboração. E o Design Thinking leva a máxima “duas cabeças pensam melhor do que uma” ao pé da letra ao propor o trabalho em grupos formados por profissionais heterogêneos.

Por fim, é hora de experimentar o novo produto antes de lançá-lo no mercado. E isso significa estar disposto a jogar fora sua hipótese de solução se ela não passar no teste.

Na prática

A possibilidade de aplicar o Design Thinking como ferramenta independe do tamanho da empresa e da atividade econômica em que ela está inserida. Existem diversos cursos para aprimoramento da técnica e eles são abertos para quem estiver interessado.

Não há nenhum pré-requisito de formação específica. E as aulas fogem totalmente do convencional. Livros, cadernos e quadro negro dão lugares para massinhas, post-its e paredes de vidro.

Todo esse ambiente favorece para despertar a criatividade. “A intenção é você registrar todas as suas ideias, por mais absurdas que elas sejam. Talvez estejam nelas as soluções mais inteligentes” acredita Oliveira. “Tiramos a zona de conforto do aluno. Aqui, ele trabalha mais em pé do que sentado”.

Além de treinar a técnica, as aulas são excelentes oportunidades para diversificar o grupo que irá trabalhar em um mesmo produto ou ideia.

“É possível encontrar em uma mesma equipe antropólogos, psicólogos, médicos e engenheiros, por exemplo. Todos eles trazem o seu ponto de vista para solucionar determinado problema”, comenta Oliveira.

Mas os cursos não são o único caminho para aprender a metodologia e colocá-la em prática. Você também pode ler e pesquisar sobre o assunto (no fim dessa reportagem você encontra algumas indicações) e começar a colocar a mão na massa.

Você tem um desafio na sua empresa, como inovar nos meios de entrega ou melhorar o seu atendimento ao consumidor? Está aí uma boa oportunidade para começar.

O primeiro passo é montar uma equipe para buscar essa solução. Por menor que seja sua empresa, essa não deve ser uma tarefa solitária. Convide colaboradores de áreas diferentes para participar. Lembre-se: se não houver diversidade e multiplicidade de ideias no grupo, o processo perde eficácia.

Não tem funcionários ainda? Não tem problema. Convide parentes e amigos para participar do processo. O importante é trazer visões diferentes para a conversa, portanto, faça uma seleção criteriosa.

“O Design Thinking significa ‘transdisciplinaridade’, ou seja, a capacidade de navegar nas mais diversas disciplinas para resolver um problema”, explica Pinheiro. Daí, a importância desse grupo contar com profissionais de diversas áreas e especialistas em diferentes assuntos.

Após formado o grupo, é hora de se colocar no papel de consumidor e analisar a loja sob esse ponto de vista. É importante, também, que esse processo criativo e de fomentação de ideias aconteça em um ambiente de descontração.

Ao chegar a um produto ou solução final, é hora da última etapa: experimentação. Faça muitos testes antes de colocar a mudança, ou a novidade, no ar. Essa etapa é fundamental. Experimentar é tão importante quanto criar.

Pronto para sair da sua zona de conforto e inovar com o Design Thinking? Então confira algumas referências que podem ajudá-lo nessa jornada:

Livros em português

– “Design Thinking Brasil” de Luis Alt ; Tennyson Pinheiro

– “Choque de Ideias” e Design de Negócios” de Roger Martin

– “Design Thinking- Uma Metodologia Poderosa Para Decretar o Fim das Velhas Ideias”- Tim Brown

– “Isto é Design Thinking de Serviços” de Marc Stickdorn e Jakob Schneider

– “Fundamentos de Design Criativo” de Gavin Ambrose e Paul Harris

Livros em inglês

– “Art of Innovation” de David Kelley

– “The Science of the Artificial” de Herbert A. Simon

– “Experiences in Visual Thinking” de Robert McKim

– “Design for Growth: a design thinking toolkit” de Jeanne Liedtka e Tim Ogilvie

– “101 Design Methods: A Structured Approach for Driving Innovation in Your Organization” de Vijay Kumar

Links de Cursos de Design Thinking no Brasil

– Pós-Graduação em Design de Interação (Ênfase em Design Thinking) da Faculdade Impacta Tecnologia 

– EISE Escola de Inovação em Serviços, Design Thinking e Service Thinking

– MBA Branding Innovation – SP

Links de Cursos de Design Thinking no exterior

– DESIGN THINKING ACTION LAB de Stanford. (É gratuito e a distância.)

– MASTERING INNOVATION AND DESIGN-THINKING da MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Links de Design Thinking pela web

– Vídeos sobre design thinking

– Blog Design Thinking Brasil

Related posts
Empreendedorismo

Planilha de fluxo de caixa: conheça suas vantagens e como utilizá-la!

5 Mins read
Você já ouviu falar na importância de ter uma planilha de fluxo de caixa?  Apesar de muitos já conhecerem, ainda existem algumas…
EmpreendedorismoGestão de Finanças

MEI vs Imposto de Renda: quando é preciso declarar?

5 Mins read
Quando o assunto é Imposto de Renda e o MEI é normal que haja dúvidas referente aos temas. Afinal, a declaração pode…
Empreendedorismo

Como contornar a alta do combustível no seu negócio?

6 Mins read
A alta do combustível é um dos temas que mais preocupam os brasileiros atualmente. Além do peso no bolso do consumidor para…