Presença digitalPrimeiros passosProdutos UOL Meu NegócioSoluçõesTudo para sua Loja Virtual

Revende produtos importados? Esclareça suas dúvidas

5 Mins read

China, Paraguai, Estados Unidos, Europa. Os destinos são os mais variados, mas uma coisa é certa: os brasileiros estão cada vez mais fazendo compras no exterior. E para isso, nem precisa pegar o avião, basta um clique e pronto. É só esperar a encomenda chegar.

Mas há uma ressalva importante: a atividade precisa ser exercida por uma pessoa jurídica. E não é o que acontece, muitas vezes.

Esse é um dos motivos para a Receita Federal, em parceria com os Correios, estarem desenvolvendo um sistema para automatizar o processo de fiscalização das importações, que hoje é feito por amostragem. 

O projeto prevê a antecipação das informações sobre as encomendas que ingressarão no país, contribuindo para o aperfeiçoamento do controle da entrada de mercadorias importadas. 

Ao contrário do que muitos pensam, o que se compra em estabelecimentos comerciais no exterior é, sim, sujeito a tributação, independentemente do valor. As únicas exceções são os livros, os periódicos, os medicamentos com receita médica e os bens enviados por pessoa física que custem até 50 dólares. 

Contrariando a norma da Receita, há pouco tempo veio à tona uma polêmica levantada pelo site BJC, que dizia que compras feitas em sites estrangeiros e entregues pelos Correios com valor abaixo de 100 dólares não poderiam ser tributadas.

Isso porque, segundo o Decreto-Lei 1.804, de 3 de setembro de 1980, o regime de tributação simplificada das remessas postais internacionais tem isenção de imposto de importação para compras até 100 dólares, isso quando destinado a pessoas físicas. 

A polêmica foi grande, mas a Receita continua afirmando que os bens devem custar até, no máximo, 50 dólares. No entanto, no caso de pessoas jurídicas, como o produto será revendido, essa lógica não funciona. Todos podem ser escolhidos, de acordo com as regras de amostragem, para pagar tributos.

Como as dúvidas relacionadas a esse assunto sempre rondam a cabeça dos revendedores, e também dos consumidores, o UOL Meu Negócio reuniu os principais questionamentos e os esclareceu diretamente com a Receita Federal. Confira:


Para importar é preciso ter algum registro?

Para trazer produtos de fora e revender no Brasil, a empresa precisa se credenciar junto à Secretaria da Receita Federal. Para tanto, é preciso apresentar o contrato ou estatuto social da marca, o cartão do CGC (Cadastro Geral de Contribuintes), o CPF do responsável pela empresa ou uma procuração, caso seja solicitado por terceiros.

É necessário alterar o contrato ou estatuto social da empresa?

Se entre os objetivos sociais da sua companhia já constar a importação como um dos itens, o contrato ou estatuto social não precisa ser alterado. Isso só é necessário em casos em que não esteja mencionado esse fator.

Quais são os impostos para a importação? 

Os impostos sobre os bens de consumo variam de acordo com cada item. Por exemplo, produtos como papel higiênico têm taxas mais baixas quando comparados a eletroeletrônicos. 

E, mesmo quando o item é da mesma categoria, os preços também mudam, pois o governo considera que computadores, por exemplo, são itens mais importantes do que iPods, já que os primeiros estão ligados à inclusão digital.

Os impostos que recaem sobre os produtos importados são:

– II (Imposto sobre Importação) – o imposto federal é a cobrado sobre os produtos importados de outros países.  Tem alíquotas variáveis.

– IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) – é cobrado tanto para produtos industrializados nacionais quanto internacionais. Ele incide sobre o item no momento do desembaraço aduaneiro.  A alíquota varia de acordo com o produto.

– ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) – este imposto incide sobre serviço prestado no exterior ou com prestação que tenha iniciado fora do país. A alíquota varia de acordo com o Estado em que o produto será liberado. 

– PIS (Programa de Integração Social/Importação) – tem alíquota geral de 1,65%, com tarifas diferentes para alguns produtos. 

– Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) – sua alíquota geral é de 7,6% e também possui taxas especiais conforme o produto.

Quais são os procedimentos para importação?

Primeiro é preciso que você avalie o custo final do produto, em reais, incluindo frete e seguro internacional, além dos impostos cobrados, custos portuários e despesas bancárias e de despachantes. 

Confira no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Sixcomex), responsável por automatizar e centralizar as importações, se o produto que você vai comprar exige licença prévia e registro de entrada e saída de mercadorias. 

Para usar esse recurso, no entanto, é preciso que a sua empresa faça um cadastro no Ambiente de Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros (Radar), no site da Receita Federal. 

Em seguida, faça a Declaração de Importação (DI) no Siscomex e realize o pedido ao importador, solicitando a abertura da carta de crédito, se for esta a condição de pagamento negociada. Lembre-se que essa é a melhor opção para se proteger das variações de moeda. 

Assim, o importador pode efetuar uma operação no banco fixando antecipadamente a taxa a ser paga em reais no momento da liquidação do contrato. 

Por fim, caso você contrate um profissional para representar a sua empresa, selecione o despachante aduaneiro e entregue a ele uma procuração credenciando-o a desempenhar todas as atividades necessárias para a liberação da mercadoria aqui no Brasil.

Qual é o valor máximo dos bens a serem importados?

O máximo que uma microempresa pode importar é 3 mil dólares por mês.

Como deve ser feito o pagamento do imposto?

Caso você escolha usar os Correios, para bens até 500 dólares, o imposto será pago no momento da retirada do produto, na própria unidade de serviço postal, sem qualquer formalidade aduaneira.

No entanto, se o valor for superior a 500 dólares será preciso apresentar a Declaração de Importação (DI) para que as mercadorias sejam liberadas.

Como lidar com o frete internacional?

Para que você use esse recurso é preciso que faça as cotações diretamente com as companhias de transporte ou com os agentes de carga. Contrate o frete e o seguro internacional e informe o fabricante estrangeiro como deverá ser feito o transporte, informando também a data do procedimento.

Caso a negociação fique sob responsabilidade do contratado, você precisa perguntar ao fornecedor qual é a previsão de embarque da mercadoria.

Existem produtos que não podem ser importados?

Alguns itens listados em legislação específica não podem vir para o Brasil por causarem problema à saúde ou ao meio ambiente. Esse é o caso, por exemplo, de animais da fauna silvestre sem licença expedida pelo Ministério do Meio Ambiente. No entanto, a lista varia em cada país. Fique esperto!

Você tem problemas com importação? Tem mais dúvidas para esclarecer? Compartilhe com a gente!

Related posts
Produtos UOL Meu NegócioSoluções

Como vender pelo Facebook e Instagram com a sua Loja VirtUOL?

5 Mins read
Já faz algum tempo que as redes sociais deixaram de ser apenas um ambiente para se entreter. As maiores marcas do mundo…
EmpreendedorismoPresença digital

Como abrir uma loja virtual de produtos cosméticos?

6 Mins read
Quanto tempo costuma durar os seus itens de cuidado pessoal? Quem gosta de cuidar da aparência raramente passa um mês sem adquirir…
Presença digitalPrimeiros passosProdutos UOL Meu NegócioSoluçõesTudo para sua Loja Virtual

Loja virtual de roupas: o segredo do sucesso está nos detalhes

5 Mins read
O consumidor que compra pela internet espera ter uma experiência que traga maior praticidade, rapidez e conforto. Logo, é importante pensar nesses…